2005/07/27

Os Amigos

Todos temos teorias ácerca de amigos. Seja ela qual for, no meu caso, confesso: é bom tê-los . A propósito deste blogue tem havido os telefonemas do costume. A Net está mais distante do que imaginamos de muita gente. Alguns, todavia, já apareceram com os seus comentários. O primeiro e mais aguerrido é de alguém que me conhece bem. O segundo veio do Fernando Alves, meu querido amigo de grandes batalhas desde tempos imemoriais. Algumas das nossas estórias talvez caibam aqui. Experimentarei, à medida que for acalmando este frenesim que, de repente, voltou a tomar conta de mim a propósito do " África".
Tempos houve que pouca gente percebia o entusiasmo com que eu falava de um projecto que era sobretudo uma enorme dor de cabeça...
Mas, adiante: falo de outros amigos que aqui apareceram com o seu testemunho: António Gonçalves, que durante algum tempo foi chefe de Redacção do "África", para onde transportou toda a sua longa experiência profissional, adquirida, nomeadamente ao serviço do "Notícia" a revista que era naquele tempo um pouco a televisão de Angola.
Leonel Cosme outro velho amigo, a quem ajudei a consolidar o Rádio Clube da Huíla e a iniciar a recuperação da Rádio Comercial de Angola, que, sob nossa gestão já tinha atingido, em Março de 1974 mais receitas do que em todo o ano de 1973. Claro que há explicações para tudo. Talvez também falemos disso...
O testemunho de Leonel Cosme neste blogue (deve ter pedido, seguramente, a um dos netos para o instruir no sentido de se apresentar na NET) é particularmente importante, já que testemunha com os olhos de quem conhecia outras realidades africanas, aquilo a que eu chamava o milagre cabo-verdiano.
A propósito: há muitos anos ( não sei precisar quando) escrevi um texto dizendo que Cabo Verde podia ser a Suiça de África. Recentemente alguém lançou a ideia. Afinal, agora não está longe de concretizar. Quando escrevi aquilo acreditava sinceramente nas comparações que fazia.
A todos eles, os que telefonam e os que escrevem ou os que simplesmente mandam recados, o obrigado.
Com tempo, devagar, vou contar tudo. Prometido

4 comentários:

LS disse...

Caro Leston Bandeira, deixo-lhe aqui o meu testemunho de saudação pela sua entrada neste estranho, e simultâneamente mágico, mundo da blogosfera. Confesso que não conheço África, mas vou conhecendo este nosso querido país e os seus indígenas o suficiente para encontrar neste seu espaço interesse pelas estórias que conta da nossa história recente.
Aqui estarei, silencioso, em atenta e cuidada leitura.
Um abraço
Luís Sequeira

Rafael Soares disse...

Meu caro
Acho que só assim vou ser capaz de fazer passar a mensagem.

Agora que sei mais sobre o teu «África», muito mais do que nunca soube
antes, nem durante a minha passagem pelo jornal, talvez seja oportuno
dizer mais um pouco, sem recorrer á memória, antes ao presente, mas
com os olhos mais além... Talvez, talvez o «África» se justifique
ainda mais hoje do que eventualmente se justificaria no passado. A
África ainda mexe muito connosco. Temos muitos portugueses africanos,
espalhados por aí. Mais difícil e confesso que me assusta é o
contrário, escrever sobre africanos entre nós e não será fácil
afrontar essa realidade.
Eu, reformado, afastado, etc. já não meto nem estopa, mas tu ainda
tens tudo isso entranhado no sangue, ainda podes dispôr de ânimo e
experiência. Pensa nisso.
António Gonçalves

CP disse...

Só agora tomei conhecimento deste excelente blog. Parabéns. Continua o bom trabalho para nosso deleite.

crack disse...

Cheguei agora aqui pela primeira vez, via um outro excelente blog, O Abnegado.
África, em geral, e a África «portuguesa», em particular, merecem-me o interesse de quem suspira pela terra-mãe.
O seu blog passou já a ser uma leitura diária, obrigatória.
Bom trabalho.